Nome do livro: No Seu Pescoço
Autor(a): Chimamanda Ngozi Adichie
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788535929454
Ano: 2017
Nota: 5/5

Nas narrativas que compõem “No seu pescoço”, encontramos a sensibilidade de Chimamanda Ngozi Adichie voltada para a temática da imigração, do preconceito racial, dos conflitos religiosos e das relações familiares. Combinando técnicas de escrita convencional com experimentalismo, a autora parte da perspectiva do indivíduo para atingir o universal ao explorar os laços que ligam homens e mulheres, pais e filhos, África e Estados Unidos, também como alegoria do eu para o outro.

Esta coletânea, originalmente publicada em 2009, foi traduzida para o nosso idioma somente neste ano. São doze contos carregados de opressão, racismo, injustiça social, sexismo e xenofobia que se passam entre a Nigéria e os Estados Unidos, mas ilustram situações que também vivenciamos em nossa sociedade com assombrosa frequência.

Ainda não tive a oportunidade de ler os romances da autora, mas é inegável que ela consegue encontrar no difícil formato do conto um território muito confortável. Na história que dá título ao livro, ela se permite experimentar e escrever em segunda pessoa, colocando o leitor no lugar da personagem e, com isso, tornando palpável a sensação de vulnerabilidade. Cada uma das narrativas tem uma tônica, mas há alguns temas recorrentes como a busca por identidade, a integração a um novo país e a luta diária pela qual passam as mulheres, seja na Nigéria ou em qualquer lugar do mundo. Chimamanda toca em feridas abertas e seu texto é escrito com força, autoridade e empatia.

Escolher uma passagem favorita não é tarefa simples, mas me senti particularmente impactado pelo primeiro conto, que já chega com os dois pés na porta: “A Cela Um” nos apresenta Nnamabia, um jovem bonito, que faz tudo o que quer e quase sempre sai impune das consequências de seus atos, até que é preso por suposto envolvimento com um atentado terrorista. A semelhança com o sistema carcerário brasileiro e a crueza com que o caso é retratado faz com que esse seja um drama familiar de difícil digestão. “Uma experiência privada” também me chamou muito a atenção, pois coloca em um breve e improvável contato uma cristã, pertencente ao povo igbo, e uma muçulmana, pertencente ao povo hausa. As duas se entendem e se ajudam dentro de uma loja enquanto, do lado de fora, um conflito armado se desenvolve entre membros de suas etnias. “No seu pescoço” é um título que remete a desconforto e, em linhas gerais, é isso que a obra entrega; ao terminar a última página, no entanto, o que toma conta é a sensação de gratidão.

No meu mundo ideal, os livros da Chimamanda fariam parte da bibliografia escolar básica. Como sempre, recomendo bastante esta leitura e torço para que a autora seja cada vez mais conhecida e reconhecida.