Ficha Técnica
Título original: Rebel Spring
Série: A Queda dos Reinos, #2
Páginas: 424
Acabamento: Brochura
Lançamento: 2013
ISBN: 9788565765275
Selo: Seguinte

Depois que o rei Gaius de Limeros conquistou as terras de Auranos e subjugou o povo sofrido de Paelsia, passou a dominar toda a Mítica com seu punho de ferro. A rica população de Auranos parece não se importar com o novo governante, desde que seus privilégios sejam mantidos; os paelsianos, como sempre, aceitam seu destino de exploração. Mas a tranquilidade é só aparente: grupos rebeldes começam a surgir nos reinos dominados, questionando as mentiras e os métodos sangrentos do novo rei.

Enquanto isso, Gaius obedece à sua mais nova conselheira e dá início à construção de uma estrada passando pelas temidas Montanhas Proibidas. Mas essa via não servirá apenas para interligar os três reinos: ela faz parte de uma busca pela magia elementar, perdida há mil anos, que conferirá ao tirano um poder supremo. O que ninguém esperava era que essa obra desencadearia uma série de eventos catastróficos, que mudarão aquelas terras para sempre e forçarão Cleo, Magnus, Lucia e Jonas a tomar decisões até então inimagináveis.

O segundo livro da série Queda dos Reinos inicia no ponto que o volume anterior termina (resenha aqui). Agora o Rei Sanguinário de Limeros conquistou os outros dois reinos de Mítica: Paelsia e Auranos e para iniciar seu controle sobre os povos promove a construção de uma estrada que irá cortar os três reinos com o propósito de uni-los. Mas tudo isso é apenas uma fachada para o que ele realmente pretende, que é encontrar a Tétrade, que contém o poder dos quatro elementos (fogo, terra, ar e água) e reza a lenda que irá conferir poder absoluto e ilimitado ao seu possuidor.

Mas nem todos se deixam enganar pelas promessas do Rei e um grupo rebelde, liderado por camponês Jonas Agallon, começa a reunir forças para contra atacar todos os horrores que está acontecendo, pessoas estão sendo escravizadas e mortas por causa da construção da estrada e outras tantas sendo silenciadas para “manter a ordem”. Como o próprio título sugere, A Primavera Rebelde, acompanhamos mais sobre os rebeldes e de como pessoas comuns se tornam parte da resistência e seus planos para tomarem o reino de volta.

Usando da mesma fórmula, cada capitulo é narrado por um personagem diferente e acompanhamos vários pontos de vista em momentos distintos, dessa vez foi possível conhecer mais dos personagens secundários e ter uma visão melhor de como a guerra afetou a todos. Pode ser confuso para algumas pessoas, mas sempre prefiro esse tipo de narrativa por me sentir mais por dentro da história e não presa na visão apenas dos protagonistas.

O príncipe Magnus ainda é o personagem mais desenvolvido, sofre em silêncio por um amor proibido e não correspondido, ao mesmo tempo precisa fingir ser frio como o pai para obter sua confiança e assim conseguir mais poder. A autora nos deixa em dúvida sobre o caráter dele, mas acho que a ideia não é dividir os personagens em lados de bom ou ruim, aqui todos tem um pouco dos dois.

Já a princesa Cleo estou gostando muito dela, após perder a família nessa guerra, se tornou prisoneira no próprio reino e isso a fez amadurecer muito e em pouco tempo. Claro que ela continua mimada e mandona, mas quem foi criada assim desde sempre, fica difícil mudar totalmente e até acho até coerente com o seu papel de princesa. É a minha preferida da história e espero que nos outros livros ela se tome o seu lugar de direito, se tornando uma rainha.

Continuo amando e recomendando muito a série, Morgan Rhodes conseguiu manter a pegada sombria do primeiro livro, e manteve as mortes (sem dó) também, dessa vez tivemos várias e que com certeza terão repercussão nesse jogo político em Mítica.